Parque Estadual do Cocó: gestão com participação da sociedade

            Julho chegando ao final…Olhar para trás, para o primeiro semestre de 2020, nos causa uma mistura de sentimentos, pois fomos surpreendidos por uma situação que, confesso, não estava na previsão de nosso planejamento… A pandemia do novo Coronavírus trouxe a certeza de que somos frágeis, que a linha de ruptura entre estarmos saudáveis e adoecermos é muito tênue.

            Apesar das incertezas sobre a origem do novo Coronavírus (2019nCoVR, posteriormente denominado SARS-Cov-2), autores como Wong et al (2020) e Anderson et al (2020) sugerem que há uma provável hipótese de que o SARS-Cov-2 tenha origens zoonóticas, em consequência de perda de biodiversidade, em que destacam o papel potencial da seleção natural no hospedeiro animal antes da transferência zoonótica, seleção natural em humanos após a transferência de animal para humano e adaptação durante passagens sequenciais.

            Esses estudos permitem compreender e nos direcionar para a necessidade de respeito ao meio ambiente e da proteção dos recursos ambientais. Isso vai ao encontro de olharmos com maior atenção para os espaços territoriais especialmente protegidos que estão próximas às áreas urbanas, a exemplo do Parque Estadual do Cocó, cuja localização engloba parcela territorial significativa dos municípios de Fortaleza, Itaitinga e Maracanaú, com área total de 1.571,29 ha.

            O momento atual é bastante convidativo a participarmos das discussões e debates importantes para a gestão dessa área protegida, o Parque Estadual do Cocó, uma vez que a pressão antrópica, sobretudo nas áreas urbanas, parece avançar sem querer observar a urgente proteção ambiental, notadamente das áreas ambientalmente mais frágeis, como dunas, restingas e mangues.

            A Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), órgão gestor do Parque Estadual do Cocó, está no processo de elaboração de Plano de Manejo desta unidade de conservação, assim como vem procedendo um debate intenso sobre a governança necessária para esta área protegida dentro do Pacto do Cocó.

            No dia 04 de agosto de 2020, de 9h às 11h, haverá a Oficina de Programas de Gestão do Plano de Manejo do Parque Estadual do Cocó, coordenada pela Arcadis, consultoria que venceu a licitação para o procedimento de elaboração de plano de manejo. A oficina será conduzida de maneira virtual. Todos estão, então, convidados. Conforme Assessoria de Comunicação da SEMA, para acessar a oficina, deve-se clicar neste link: https://bluejeans.com/8165283430

Aos interessados em saber um pouco mais sobre a elaboração do plano de manejo do parque Estadual do Cocó e sobre o Pacto do Cocó podem acessar o link https://bit.ly/RioCoco. Neste link, desde o dia 27/07/2020 até o dia 02/08/2020, está disponível o formulário sobre os Programas de Gestão do PEC, cujas respostas vão ser utilizadas para nortear as discussões na Oficina.

Convite feito! Vamos juntos debater sobre os desafios que temos pela frente na gestão dessa importante Unidade de Conservação.

Fontes: Gary Wong, Yu-Hai Bi, Qi-Hui Wang, Xin-Wen Chen, Zhi-Gang Zhang, Yong-Gang Yao. Zoonotic origins of human coronavirus 2019 (HCoV-19/SARS-Cov-2): why is this work importante? Zoological Research. Vol. 41,n. 3, 2020. doi: 10.24272/j.issn.2095-8137.2020.031

          Andersen KG, Rambaut A, Lipkin WI, Holmes EC, Garry RF The proximal origin of SARS-CoV-2. Nature Medicine. 2020;26(4):450–452. doi: 10.1038/s41591-020-0820-9.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: