Em três meses, Fortaleza apresenta boa evolução do monitoramento da Rede Covid Esgotos

            Fortaleza tem sido uma das capitais monitoradas pela Rede Covid Esgotos a respeito da Distribuição espacial das concentrações do SARS-CoV-2 no esgoto. A Rede Monitoramento Covid Esgotos tem parceria com a Agência Nacional de Águas e de Saneamento Básico (ANA), do CNPq e do INCT ETEs Sustentáveis.

            O Boletim de Acompanhamento n. 5, publicado em 3 de setembro, referente ao mês de julho até final de agosto, traz informações referentes às semanas epidemiológicas: (a) 30 (25 a 31 de julho de 2021), (b) 31 (01 a 07 de agosto de 2021), (c) 32 (08 a 14 de agosto de 2021) e (d) 33 (15 a 21 de agosto de 2021). Cada região monitorada é apresentada em mapa com coloração correspondente à concentração determinada para o SARS-CoV-2 no esgoto. Regiões verdes indicam que o SARS-CoV-2 não foi detectado. Regiões amarelas, laranjas e vermelhas indicam que o SARS-CoV-2 foi detectado, em concentrações menores, intermediárias e maiores, respectivamente. As figuras a seguir mostram as respectivas semanas epidemiológicas e a distribuição espacial, com a presença, ou não, do vírus SARS-Cov-2 nos esgotos monitorados.

            Se comparada à distribuição espacial em semanas epidemiológicas anteriores, quando do início do monitoramento em Fortaleza, há três meses (junho de 2021), constata-se uma evolução positiva, no sentido de diminuição ou de não detecção de concentração viral na região monitorada.

            O Prof. Dr. André Bezerra, coordenador do programa de monitoramento pela Universidade Federal do Ceará, destaca três importantes informações: 1) “foi observada manutenção das baixas concentrações de SARS-CoV-2 em todos os pontos monitorados em Fortaleza nas últimas semanas epidemiológicas (30 a 33). 2) Nas semanas epidemiológicas 30, 31 e 33, o SARS-CoV-2 não foi detectado nas amostras coletadas na Estação de Pré-condicionamento (CE-ETE-03), responsável pela maior parte do sistema de esgotamento de Fortaleza, cobrindo 61% da população. Na semana epidemiológica 31, o SARS-CoV-2 não foi detectado na maioria dos pontos amostrados. 3) Na semana epidemiológica 33, o SARS-CoV-2 não foi detectado em cinco dos nove pontos amostrados”.

            Conforme consta no Boletim de Acompanhamento n. 5 (ANA, 2021), as análises dos resultados levam em consideração os casos suspeitos notificados com quadro respiratório agudo bem como a cobertura vacinal. Portanto, temos um cenário na capital cearense mais favorável do que há três meses, mas ainda precisamos tomar todos os cuidados necessários.

            A importância de monitoramento como este realizado sob a coordenação do Prof. André Bezerra auxilia, sobremaneira, a tomada de decisão por meio da epidemiologia baseada em esgotos. Percebe-se, atualmente (a partir de 06 de setembro), uma flexibilização por parte do Governo do Estado do Ceará com relação às medidas de restrições e de isolamento social, o que vai ao encontro do cenário mais favorável encontrado no monitoramento dos pontos amostrados.

Fonte: ANA. Boletim de Acompanhamento n. 5. Brasília: ANA/CNPq/INCT ETEs Sustentáveis, 2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: